voltarVoltar

Combinar biometria facial com análise do dispositivo auxilia contra fraude do motoboy; entenda

Felipe Oliveira
Siga no Linkedin

O reconhecimento facial é uma ferramenta criada para dar mais segurança aos usuários durante uma operação. A captura da biometria pode acontecer em diversos momentos, seja no onboarding ou até mesmo para finalizar a contratação de um empréstimo consignado ou o financiamento de um veículo.

Aproveitando-se dessa variedade, os fraudadores colocaram a criatividade em prática para aplicar alguns golpes. Você já deve ter ouvido falar do golpe do motoboy, que já fez algumas vítimas pelo país.

Para se ter uma ideia dos riscos, um publicitário de São Paulo descobriu um financiamento de veículos no valor de R$ 200 mil após ceder a biometria facial a um motoboy que teria condicionado o recebimento de um brinde ao registro da imagem – o presente recebido foi um kit de perfumaria.

Outro ponto que dificulta para que as instituições percebam que a transação se trata de uma fraude é que, além do reconhecimento facial realizado em tempo real, em casos como esses também é possível confirmar a geolocalização da vítima, já que o golpe ocorre na porta de sua casa.

Mas então, como se proteger?

De fato, pode parecer que esse golpe é praticamente perfeito, já que ocorre após um roubo de contas e tem a confirmação em tempo real da identidade e da localização da pessoa por meio da biometria facial.

Por é tão importante pensar em mais de uma camada de proteção. Esse é o caminho da evolução da biometria facial: combiná-la com a análise do dispositivo para tornar as jornadas digitais mais seguras.

“Normalmente, o fraudador que captura a biometria facial usa o mesmo device, ele não vai ficar trocando de aparelho no meio do caminho. Isso (a combinação) vai ajudar as instituições financeiras a identificar esse tipo de risco”, afirmou Cassia Dias, Gerente Executiva de Riscos, durante o painel “A evolução da biometria e o futuro do mercado de prevenção a fraude” na segunda edição da Jornada Segura e Simples.

Gustavo Monteiro, Managing Director do AllowMe, concorda com a afirmação e acredita que incluir uma camada a mais de proteção durante as transações é fundamental para limitar a escala da fraude.

“Você tem um conjunto de fatores para que a fraude aconteça. Se você não cria camadas de verificação, acaba dando escala para o fraudador. Uma das formas de limitar a escala é validar esse dispositivo. O fraudador vai ter uma quantidade finita de dispositivos e vai diminuir a vazão dele na execução da fraude. Isso vai dar mais trabalho e pode até desencorajá-lo”, afirmou também durante a Jornada Segura e Simples.

“Quando você trabalha com uma forma só de verificação, você torna o processo muito frágil. Você precisa criar esse conjunto de ferramentas para combater fraudes porque são vários cenários e aqui no Brasil o fraudador é absolutamente criativo para explorar cada um deles”, complementa.

Perdeu a Jornada Segura e Simples? Assista ao evento:

Além de trazer uma camada a mais de segurança, a combinação da biometria com a análise do device é feita de maneira rápida, não trazendo fricção e não impactando na experiência do usuário.

O processo é o mesmo ao qual o usuário já está acostumado! Ao realizar a transação, ele será orientado a olhar para a tela do celular e a encaixar o rosto no local indicado, um processo que valida se o reconhecimento facial está sendo realizado em tempo real. Além disso, esse reconhecimento é orquestrado com uma análise do dispositivo, que valida se o aparelho utilizado na transação é suspeito ou não.

A pesquisa Device Fraud Scan 2022, feita pelo AllowMe, mostra que o fraudador tem, em média, apenas um dispositivo em sua posse. Isso significa que ele utiliza o mesmo aparelho para acessar diversas contas, o que, com uma análise do dispositivo robusta, possibilita identificar uma fraude.

Além disso, o AllowMe possui outras regras customizáveis que permitem aos nossos clientes tomarem as melhores decisões. Algumas delas conseguem verificar a similaridade entre as últimas transações realizadas, se o telefone utilizado consta em alguma lista de baixa reputação, se a localização do prefixo do telefone coincide com estado do endereço do IP, entre outras.

Ou seja, mesmo que o fraudador consiga enganar o usuário final e obter o reconhecimento facial, nossa plataforma será capaz de identificar que o dispositivo é fraudulento.

Ainda não é cliente AllowMe e quer saber mais sobre como podemos te ajudar? Clique aqui e preencha o formulário!

Artigo escrito por Felipe Oliveira

Felipe Oliveira é jornalista apaixonado por futebol, mas decidiu levar os esportes apenas como lazer depois trabalhar direto da redação em uma edição de Jogos Olímpicos e uma Copa do Mundo. Formado também em Direito, desde 2019 aceitou o desafio de escrever sobre tecnologia e, em 2021, atuar com marketing no mercado de prevenção à fraude e pagamentos digitais. No tempo livre gosta de assistir a jogos de futebol e matar a saudade da infância com canais de YouTube sobre games antigos.

Acompanhe as novidades

icone correio

Assine nossa newsletter gratuita

Fique por dentro de todos os conteúdos sobre proteção de identidades digitais