Entenda como camadas extras de segurança no momento do onboarding podem contribuir para afastar criminosos do seu negócio e permitir apenas a entrada de bons clientes

Criado para estreitar as relações entre consumidores e empresas, o Dia do Cliente comemora-se neste dia 15 de setembro. A data faz parte do calendário comercial e é uma boa oportunidade de se fazer negócios, além de incentivar o consumo, já que geralmente, na ocasião, são oferecidos brindes, promoções especiais e descontos como forma de celebração.

No entanto, aproveitamos a data de hoje para alertar sobre a atividade dos temidos fraudadores, que muitas vezes, disfarçados de bons clientes, podem acabar trazendo prejuízos para as organizações, principalmente em situações comemorativa. Nestes casos, cibercriminosos se aproveitam de datas sazonais para aplicar golpes através de lojas falsas e falsos boletos bancários, por exemplo, conforme mencionamos em publicações anteriores.

Leia também: Dia do Internauta: conheça golpes aplicados com frequência na web e fique atento à segurança de seus negócios e clientes

Existem meios de se identificar quem está por trás de cada transação e desta forma, diferenciar bons clientes de possíveis fraudadores, protegendo assim seu negócio e também os dados de seus consumidores. O momento do cadastro é o contato inicial do consumidor com as empresas, por isso, garantir um onboarding seguro identificando quem é cada cliente antes de permitir sua entrada colabora para que todas as próximas interações dentro das plataformas sejam ainda mais seguras.

Diferenciando clientes reais e fraudadores

Múltiplas camadas de verificação de identidade, por exemplo, como as oferecidas pelo AllowMe, são grandes aliadas no momento do onboarding. Elencamos alguns passos que são essenciais para diferenciar clientes reais e fraudadores ainda no início de cada transação. Confira:

1. Validação do dispositivo: Trata-se de uma análise comportamental do dispositivo utilizado para realizar aquela transação. Neste momento, através de uma coleta de variáveis do padrão de navegação, é possível gerar “fotos” do device para detectar comportamentos suspeitos.

2. Validação de dados cadastrais: Neste momento verifica-se dados como e-mail, número de CPF e telefone em uma integração com a nossa equipe de Threat Intelligence. Através desta funcionalidade, é possível descobrir se estas informações estão presentes em listas de e-mails descartáveis ou de e-mails, números de CPFs e telefones já vazados antes, além de fazer um cruzamento com demais transações para checar se os dados informados naquele cadastro condizem com os já informados pelo mesmo cliente em transações anteriores e qual o score de cada cliente.

3. Validação de endereço via geolocalização: O endereço informado pelo cliente no momento do onboarding pode ser verificado de forma digital por meios de geolocalização do dispositivo. Desta forma é possível checar se estas as informações estão em conformidade e se aquele usuário não está usando algum tipo de fake location. Também é possível verificar se a geolocalização condiz com o DDD do número de telefone fornecido no cadastro e se as redes de wi-fi utilizadas são as mesmas;

4. Autenticação via SMS, ligação, push, token, OTP e e-mail: Estas formas extras de autenticação colaboram para dificultar o acesso do possível fraudador em caso de vazamento de dados. Sem o acesso a estas informações para a validação dos cadastros, acessos e transações, apenas a senha ou o número do CPF, por exemplo, não será suficiente para o sucesso da operação. Neste caso, utilizar de recursos como fingerprint do device e outras formas de autenticação  também são de grande ajuda.

Leia também: Validação de dados durante o processo de onboarding: indo além da simples checagem de e-mail e CPF

Leia também: Certificação digital nos negócios online: como proteger os novos leads gerados pela sua empresa

Neste Dia do Cliente esteja atento para proteger a jornada digital de seus consumidores e também da sua empresa. Em se tratando de prevenção à fraude, utilizar apenas fontes estáticas de verificação não é suficiente para afastar a atividade de fraudadores – é preciso analisar o comportamento do dispositivo do usuário para identificar e validar os dados informados e investir em camadas extras de autenticação.

Além de diferenciar bons clientes de criminosos, um onboarding seguro contribui também para que haja mais segurança nas próximas interações com a empresa, diminuindo o custo de aquisição de clientes. Tudo isso porque uma vez que detectado um comportamento suspeito logo no início, organizações não precisarão se preocupar em investir em recursos de segurança mais à frente ou com medidas para reparar danos causados por fraudes e vazamentos.

Entenda como o AllowMe pode contribuir para as camadas extras de proteção para sua empresa clicando aqui e preenchendo o formulário para entrar em contato com nossa equipe.

Relacionados Related