Antes de mais nada, a resposta é: sim, o PIX é seguro!

Havia muita expectativa em torno do novo sistema de pagamentos do Banco Central, mas o primeiro mês de operação plena do PIX mostrou que a plataforma é, sim, segura para o uso da população brasileira. Não à toa, mais de 116 milhões de chaves foram cadastradas e R$ 83 bilhões foram transacionados em 30 dias, e essas três letrinhas estão cada vez mais presentes no nosso dia a dia.

O PIX foi (e está sendo) desenvolvido para facilitar a nossa vida de bons clientes, e não de fraudadores. No entanto, esta “harmonia” depende basicamente de três entidades, que são as responsáveis por garantir a segurança dos pagamentos instantâneos.

Veja, a seguir, que são estes “guardiões” da segurança do PIX.

Imagem mostra cavaleiros do zodíaco, representando quem são os guardiões de que o PIX é seguro

Banco Central

O primeiro guardião da segurança do PIX é o Bacen, responsável pela criação do Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI) – que nada mais é do que a infraestrutura de todo o processo. Ou, segundo o próprio Banco Central, a “infraestrutura centralizada de liquidação bruta em tempo real de pagamentos instantâneos que resultam em transferências de fundos entre seus participantes titulares de Contas Pagamentos Instantâneos” e que funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana – inclusive fins de semana e feriados.

Logo, toda a operação do PIX depende da segurança do SPI e das regras e sugestões de boas práticas criadas pelo Banco Central para que o ecossistema funcione em harmonia e segurança.

Bancos e Prestadores de Serviços de Pagamentos (PSPs)

São os bancos, fintechs, meios de pagamento e todas as entidades que estão conectadas (direta ou indiretamente) ao SPI para realizar toda a movimentação financeira de pagamentos instantâneos. Em termos mais simples, são os atores e atrizes do PIX.

Mais de 900 instituições se cadastraram só em 2020 para operar no PIX, e estes players têm uma grande responsabilidade na prevenção à fraude das transferências do PIX.

Todos os PSPs terão o mesmo nível de maturidade e cuidado que os principais players do mercado já têm? esta é Será que elas têm motor de risco, fizeram teste de segurança, contam com ferramentas de monitoração, prevenção e segurança? Todos estão prontos para reagir em caso de falhas?

Se a resposta para todas essas perguntas for “sim”, a tendência é que o ecossistema seja bastante seguro.

Usuários finais

Mas é claro! Achou que o usuário não apareceria nesta lista?

E é justamente neste ponto em que foram percebidos os principais alertas de segurança em relação ao PIX ao longo dos períodos de cadastramento de chaves e de uso da plataforma. Houve um grande esforço do Banco Central e dos PSPs para facilitar o processo de adesão ao PIX, mas fraudadores também se aproveitaram do desconhecimento e/ou desatenção de algumas pessoas para aplicarem golpes – principalmente de engenharia social.

Se nós, no papel de usuários finais do PIX, não tivermos cuidados com nossos hábitos on-line e em proteger nossos dados e também as nossas chaves, como poderemos exigir que o PIX seja um ambiente seguro?

Fazer um PIX é como andar de trem

O João Lins, diretor do AllowMe, contou certa vez para o nosso time esta analogia que deu origem a este artigo e ilustra muito bem a angústia do mercado, da imprensa e das pessoas sobre a segurança do PIX.

“O Banco Central é o regulador, responsável por criar esta ferrovia, implementando os trilhos e determinando o caminho a ser seguido. Os bancos e os PSPs têm que construir seus trens, e alguns deles serão a vapor, outros de alta velocidade… e cada comboio tem que ter cuidado para não sair do trilho. E os usuários têm também a sua responsabilidade durante embarque, viagem e desembarque, para que o ecossistema seja seguro. Se estes três guardiões cumprirem seus papéis, podemos dizer que o PIX está seguro”.

Imagem mostra Harry Potter andando de trem

O PIX é seguro!

Quando o PIX completou 1 mês de operação, convidamos três grandes nomes do mercado de prevenção à fraude para debatermos o que aprendemos ao longo deste início de jornada. E o consenso de Glauco Sampaio (Cielo), Lee Waisler (Banco Santander) e Victória Brosko (enjoei) foi de que o PIX é, sim, seguro! Assista!